Recorrentes avistagens de um elefante-marinho entre 2012 e 2017

Adaptado do artigo original
Autores: Luis Felipe Mayorga, Renata Bhering, Renata Hurtado, Ralph Vanstreels

Nesse estudo reportamos seis anos de consecutivas avistagens de um elefante-marinho-do-sul (Mirounga leonina) ao longo da costa do Espírito Santo, Brasil (Figura 1). Conhecido como "Fred" pela população, o indivíduo estudado foi reconhecido pelo padrão reconhecível de suas cicatrizes superficiais, a maior parte causada presumivelmente por tubarões-charuto (Isistius sp.). Foi identificado como um macho sub-adulto devido a presença de uma pequena probóscide e comprimento corporal de aproximadamente 3,5 metros. A tabela 1 informa detalhes dos locais e datas onde o indivíduo foi avistado.

Figura 1. Locais onde o mesmo indivíduo sub-adulto de elefante-marinho-do-sul (Mirounga leonina) foi avistado de 2012 a 2017 nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, Brasil (n = 16). Os locais são indicados com o ano em que o animal foi avistado, seguido do número de cada avistamento entre colchetes (correspondente à lista na Tabela 1). A distribuição natural de M. leonina é representada com base na UICN (2017).

Existem relativamente poucas praias arenosas ao longo da costa sul do Espírito Santo que não estejam densamente povoadas e/ou sujeitas a um turismo intenso. Em 2012 e 2013, um grande número de pessoas se reuniu para ver o elefante marinho nas praias que frequentava, o que talvez o tenha desencorajado de retornar. Em 2014 e 2015 o elefante marinho retornou consistentemente à Praia Secreta de Vila Velha, uma praia pequena e isolada onde as perturbações limitavam-se a poucos humanos e cães (Figura 2B). Apesar de ser relativamente isolada (na época), vale a pena notar que a Praia Secreta de Vila Velha não é um ambiente prístino, mas muitas vezes é coberta por lixo (em alguns casos, o elefante marinho foi visto mordendo garrafas de PET). Em setembro de 2014 havia uma carcaça de cachorro apodrecendo na praia a poucos metros da área ocupada pelo elefante marinho. Em janeiro de 2016, no entanto, o elefante marinho começou a frequentar locais diferentes, alguns dos quais eram densamente povoados (Figuras 2C e 2E); Nestas circunstâncias, o indivíduo estava claramente angustiado e ocasionalmente agiria de forma agressiva em relação à população local. Em fevereiro de 2016, o elefante marinho começou a atacar pequenas embarcações na Praia do Ribeiro (Figuras 2D). Quando retornou em dezembro de 2016, o animal estava visivelmente debilitado; ao contrário dos avistamentos anteriores, estava em condições extremamente precárias do corpo e tinha uma série de feridas nas costas (Figura 2F). O elefante marinho foi monitorado nas semanas seguintes, mas não mostrou sinais de melhoria e a decisão foi tomada pelas autoridades locais, em cooperação com ONGs locais, para captura-la para reabilitação em 25 de janeiro de 2017.

Figura 2. Registro fotográfico de um elefante-marinho do sul-adulto masculino (Mirounga leonina) na costa do Espírito Santo, no Brasil. Legenda: (A) padrão exclusivo de cicatrizes usadas para identificar o indivíduo (setembro de 2014); (B) selo de elefante na Praia Secreta de Vila Velha (agosto de 2015); (C) população local reunida em torno do elefante marinho na densamente povoada Praia da Costa (janeiro de 2016); (D) elefante marinho em conflito com um barco de pesca na Praia do Ribeiro (fevereiro de 2016); (E) a população local e o policial tentam improvisar um bloqueio para evitar que o elefante entre em uma área urbana na Praia do Ribeiro (janeiro de 2016); (F) elefante apresenta condição corporal precária (janeiro de 2017). Créditos fotográficos: (A-C, E, F) Luis Felipe S. P. Mayorga, (D) Victor Barbosa.

Em abril de 2015, uma pequena ferida aberta foi vista na parte inferior das costas do elefante deste estudo. A lesão era redonda e relativamente profunda (aproximadamente 10 x 10 x 5 cm), atingindo tecido subcutâneo, com sangramento e exsudação (Figura 3B). Com base em seu tamanho e forma, especulamos que foi causada por mordida de tubarão-charuto. Utilizou-se um swab para amostrar a área interna da lesão (autorização SISBIO/ICMBio 34510); que foi armazenado em meio Stuart e transportado para laboratório no mesmo dia. Foram isoladas as bactérias Escherichia coli (Ec), Klebsiella pneumoniae (Kp) e Providencia stuartii (Ps) usando métodos rotineiros de cultura e identificação bacteriana (Brain Heart Infusion seguido de agar sangue e MacConkey). Foi identificada resistência aos seguintes antimicrobianos (através do método de difusão em disco em agar Müeller Hinton): Doxiciclina (Ec), Metronidazol (Ec, Kb, Ps), Penicilina (Ec, Kb, Ps), Tetraciclina (Ec), Cefalexina (Ec, Kb, Ps), Ampicilina (Ps), Amoxicilina (Ps), Amicacina (Ec). Nenhuma das cepas era resistente à Enrofloxacina ou Ceftiofur.

Em agosto de 2015, esta lesão estava completamente curada; no entanto, uma depressão era visível na pele cobrindo a cicatriz (Figura 3A), com um grande cirripédio aderido ao tecido cicatricial (Figura 3B). Um grande número de cirripéidios (cerca de 50 indivíduos) foram vistos anexados ao tegumento em outras regiões do corpo, especialmente nos membros pélvicos e na região dorsal posterior (Figura 3C). Recolhemos 12 cirripédios de diferentes áreas do corpo e identificamos todos eles como Conchoderma aurita (Darwin, 1851), com comprimento variando entre 9,0 e 29,1 mm (Figura 3B). Esta espécie é cosmopolita e já foi relatada anteriormente como epibionte em elefantes marinhos do sul (Best, 1971; Magalhães et al., 2003). Além disso, uma amostra das fezes foi obtida e analisada por flutuação simples em solução saturada de cloreto de sódio (Foreyt 2001), revelando ovos de helmintos compatíveis com Contracaecum sp. (Figura 3D).

Figura 3. Epibiontes e parasitas recolhidos de um elefante-marinho sub-adulto (Mirounga leonina) na costa do Espírito Santo, no Brasil. Legenda: (A) Lesão cutânea na parte dorsal posterior do elefante marinho (abril de 2015); (B) O cirripédio (Conchoderma aurita) removido da cicatriz da lesão cutânea previamente relatada (agosto de 2015; grade = 1 cm); (C) Cirripédios anexados à porção dorsal posterior e membros pélvicos, cobertos com areia (agosto de 2015); (D) Contracaecum sp. Ovo identificado através da coproparasitologia (abril de 2015). Créditos fotográficos: (A, C, D) Luis Felipe S. P. Mayorga, (B) Ralph E. T. Vanstreels.


Os motivos que levaram o elefante marinho para a costa do Espírito Santo em consecutivas primaveras/verões não são claros. A maioria dos registros de elefantes marinhos errantes correspondem a machos imaturos (Lewis et al., 2006; Moura et al., 2010), e os indivíduos encontrados ao longo da costa atlântica da América do Sul estão relacionados predominantemente com a dispersão de indivíduos da Península Colônia de Valdéz (Lewis et al., 2006). Duas hipóteses foram propostas para explicar a ocorrência de elefantes marinhos errantes no Chile norte-central durante a primavera/verão: (a) os elefantes marinhos procuram áreas isoladas e calmas onde podem descansar e fazer a muda da pelagem, e (b) eventos nessas áreas fornecem comida abundante para esses elefantes (Sepúlveda et al., 2007). No Brasil, o estado do Rio de Janeiro destaca-se por ter o maior número de registros de elefantes marinhos errantes (Moura et al., 2010); Isso coincide com a existência do sistema de afloramento de Cabo Frio ao largo da costa do Rio de Janeiro, uma área de produtividade biológica excepcionalmente alta na costa brasileira (Valentin, 2001). Por conseguinte, é plausível que o elefante elefante do presente estudo estivesse se alimentando na região de afloramento de Cabo Frio e buscasse o litoral menos populoso do Espírito Santo para descansar.

Quaisquer que sejam as razões que levaram o elefante marinho a retornar consistentemente às praias do Espírito Santo, este caso ilustra os desafios que surgem quando os mamíferos marinhos errantes de áreas subpolares remotas chegam a áreas tropicais povoadas. O indivíduo estudado, que passou a ser apelidado de "Fred" pela população local, tornou-se uma celebridade recorrente nas notícias locais, levando dezenas a centenas de pessoas a visitá-lo sempre que saísse da água. Embora isso possa ter possivelmente tido efeitos positivos em termos de educação ambiental e preocupação pública com o estado do meio marinho e costeiro, essas interações também levaram a um considerável sofrimento para o elefante marinho. Houve casos em que as pessoas se aproximavam excessivamente e tentavam tocar o animal, fotografar "selfies" ou lançar objetos nele para provocar uma reação, levando a situações em que havia risco significativo para a segurança dos humanos e do animal. As tensões aumentaram quando o animal atacou os barcos em fevereiro de 2016, levando alguns pescadores a ameaçar prejudicá-lo se ele se aproximasse de suas embarcações. O elefante marinho foi capturado no início de 2017 devido a uma severa redução na condição corporal; é possível que isso tenha sido relacionado a mudanças na abundância de alimentos como resultado do El Niño muito forte de 2015-2016 (Null, 2017).

Em conclusão, áreas remotas onde os pinípedes errantes podem frequentar sem serem perturbados estão se tornando cada vez mais escassas ao longo da costa brasileira (e em outros lugares).

A implementação de procedimentos para isolar as áreas frequentadas por pinípedes errantes lhes permitiria descansar sem perturbações, e seria, portanto, uma estratégia valiosa para assegurar a proteção e o bem-estar desses animais em áreas costeiras densamente habitadas.


Tabela 1. Avistagens de um elefante-marinho-do-sul (Mirounga leonina) sub-adulto no litoral do Espírito Santo, Brasil.


O Centro de Reabilitação de Animais Marinhos do Espírito Santo (CRAM-ES) forneceu equipes e equipamentos para o monitoramento do elefante marinho Fred entre 2014 e 2017, e funciona através da parceria entre o IPRAM e o IEMA, do Governo do Estado do Espírito Santo.